Hemorragia digestiva

A hemorragia digestiva é uma das maneiras que a cirrose do fígado passa a se manifestar clinicamente, assim como o desenvolvimento da ascite e da encefalopatia.

O processo de adoecimento do fígado cursa com um aumento da pressão do sistema venoso portal, que é a rede de vasos sanguíneos que drenam o sangue dos órgãos abdominais em direção ao fígado.

Como as veias são vasos sanguíneos de paredes muito finas, o aumento da pressão vai ocasionando a dilatação delas, formando veias dilatadas, o que chamamos de varizes. O aumento da pressão nesse sistema faz com que nosso organismo tente achar lugares para “desviar” o fluxo de sangue. Os locais desses desvios é ondem surgem as varizes, onde pode ocorrer os sangramentos.

O local mais comum de sangramento é na porção final do esôfago, no local onde surge as varizes de esôfago. Sangramento pode ocorrer em outros locais, como o fundo do estômago, o intestino delgado e o intestino grosso / reto. O aumento da pressão venosa também ocasiona um tipo de gastrite, chamada gastropatia hipertensiva, potencial local de sangramento também.

O tratamento da hemorragia digestiva passa pela tentativa de controlar a pressão local através do uso de medicamentos, procedimentos endoscópicos como ligadura elástica e esclerose ou em casos específicos o uso do shunt porto-sistêmico intra-hepático (TIPS).

Hemorragia digestiva em consequência de cirrose hepática é um grande sinal de alerta, além do tratamento específico, a avaliação para uma possibilidade de transplante hepático é mandatória.

Aviso legal: como médicos também temos a função social de divulgar a medicina e saúde, aproveite essas informações para cuidar da sua. Entretanto, reforçamos que ela não substitui atendimento médico.

Cirrose hepática, e agora?

Preparamos um conteúdo especial para sanar suas dúvidas sobre o tema.

Siga-nos